segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Deputado Agenor Neto assume presidência da Comissão de Fiscalização e Controle da Assembleia Legislativa


A Comissão de Fiscalização e Controle da Assembleia Legislativa já tem um novo presidente: o deputado Agenor Neto (MDB) estará à frente dos trabalhos de uma das mais importantes comissões da Casa pelos próximos meses, sucedendo o deputado Sérgio Aguiar (PDT).

domingo, 7 de fevereiro de 2021

Esquerda se divide sobre 'bloco na rua' de Haddad


A declaração do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) sobre colocar o bloco na rua, em referência a uma possível candidatura em 2022, provocou reações diversas entre as lideranças de esquerda.

Algumas legendas têm visto o movimento como um lançamento antecipado e não discutido com os demais partidos e suas lideranças. Já outras lideranças, concordam com iniciativa de Haddad, considerando o direito de o PT disputar a Presidência da República por decisão própria.

O governado do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), defende o posicionamento de Fernando Haddad, e o direito de o partido laçar candidato, mas pondera que as questões são outras, ou seja, qual o programa e quais alianças para derrotar Bolsonaro?

O deputado federal André Figueiredo (PDT), aliado do ex-ministro Ciro Gomes (PDT), não concorda com o posicionamento do PT, em lançar candidato. O parlamentar criticou o partido por já demonstrar que novamente não abrirá mão de uma eventual cabeça de chapa para apoiar Ciro, nome mais bem colocado, segundo ele.

Entre os descontentes também está o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire. Ele classifica a decisão de Lula e de Haddad como uma dificuldade para que a esquerda possa se alinhar em torno de um nome só.

Em posição intermediária, líderes do PSOL, como o deputado federal Marcelo Freixo e Guilherme Boulos, evitaram criticar abertamente Fernando Haddad e Lula, mas se posicionaram contra a decisão de definir um nome neste momento. Ambos defendem o momento como uma oportunidade para discutir um projeto conjunto para o país.

 

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Bolsonaro comemora eleição de Pacheco 'em cédula de papel'


Após a eleição de Rodrigo Pacheco (DEM) para a presidência do Senado, Jair Bolsonaro divulgou nas redes foto sorrindo ao lado do senador.

Destacou que a votação ocorreu “em cédula de papel”.

Rodrigo Pacheco (DEM) derrotou Simone Tebet (MDB) por 57 votos a 21. Eram necessários, no mínimo, 41 votos.

Escolhido por Alcolumbre para sucedê-lo, Pacheco recebeu a benção de Jair Bolsonaro e garantiu o apoio formal de 10 partidos: DEM, PSD, Pros, Republicanos, PSC, PT, PL, Progressistas, PDT e Rede.


Rodrigo Pacheco vence Simone Tebet e é o novo presidente do Senado


O senador Rodrigo Pacheco (DEM) foi eleito o novo presidente do Senado — e, portanto, também do Congresso Nacional. Ele derrotou Simone Tebet (MDB) por 57 votos a 21. Eram necessários, no mínimo, 41 votos.

Três senadores não votaram: Jaques Wagner (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB) por questões médicas; e Chico Rodrigues (DEM), que está afastado desde que foi flagrado com dinheiro entre as nádegas.

Em seu primeiro mandato, Pacheco, senador por Minas Gerais, sucederá seu correligionário Davi Alcolumbre, ficando no comando do Congresso pelos próximos dois anos. 

O senador do Amapá tinha o plano de tentar a reeleição, mas o STF, por 6 votos a 5, declarou, no fim do ano passado, a obviedade da inconstitucionalidade da recondução ao cargo na mesma legislatura.

Pacheco, então escolhido por Alcolumbre para sucedê-lo, recebeu a benção de Jair Bolsonaro e garantiu o apoio formal de 10 partidos: DEM, PSD, Pros, Republicanos, PSC, PT, PL, Progressistas, PDT e Rede.